;

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Adeus a Ayrton Freitas

Foi com tristeza que recebi hoje pela manhã a notícia do assassinato do Ayrton Freitas.  Logo cedo estava indo ao trabalho e liguei o rádio na Gaúcha. O locutor anunciava que havia sido assassinado um advogado em Canoas.

Talvez por não conhecer muitos advogados, mas lembrei na hora do Ayrton. Logo em seguida veio a confirmação. Era ele mesmo.

 

Conheci o Ayrton Freitas na década de 80 na efervescência cultural que tomava conta da cidade.

O Ayrton tinha uma participação muito ativa nas questões culturais de Canoas naquela época tendo participado e sendo uma das figuras centrais na realização de eventos como as duas mostras Culturais do Parque Capão do Corvo. Lembro que ele participou ativamente do movimento que reivindicava a antiga estação férrea de Canoas como Casa de Cultura (hoje uma realidade para a comunidade canoense).

Figura carismática, sempre com um sorriso largo no rosto ele foi uma espécie de ‘empresário’ da nossa banda Apocalipse nos conseguindo alguns shows naquela época.

Mais uma vítima da violência urbana que tenebrosamente ronda nossos dias.

Fica com Deus Ayrton...

 

Daniel Oliveira

 

Abaixo a manifestação do meu amigo Cézinha sobre a morte de Ayrton Freitas:

 

Adeus Pomba,

 

O Airton Freitas, que todos chamávamos carinhosamennte de Pomba, foi um grande amigo. Morava quase ao lado da casa do meu Avõ, na divisa da Harmonia com a Vila Cerne e Cinco Colônias(mais tarde). Além disso, sem ele não teriam acontecido vários movimentos políticos e culturais na cidade, inclusive aqueles festivais no Capão. Se em décadas posteriores foi figura controversa para alguns, fica na memória o Airton combativo, batalhador e conscientizador. O cara que ajudou a reerguer o Movimento Estudantil na cidade, que fundou o partido Comunista em Canoas e que não tinha medo dos poderosos, enfrentando-os em pleno regime militar. Curiosamente tinha medo de gatos, o que era motivo sempre de pegação da gurizada. Se esse cara não tivesse aperecido, muita gente que conheço e se encaminhou na vida, teria, quem sabe, seguido na delinquência e na rebeldia sem causa. Mas o destino é o senhor das ironias e justamente esse ambiente de deliquencia foi o algoz dessse tão querido amigo. Foi a primeira coisa que ouvi pela manhã deste dia 17/4/09: o Tonho (baixista da Big Zen) me ligou e disse " cara tenho uma notícia péssima pra te dar. O Aírton foi assassinado. "  Pena ele não ter sido o vereador que sempre quis ser. A ficha ainda não caiu. Esse cara fez diferença na vida de muita gente. Finalmente ele vai para o mesmo lugar que os heróis que fizeram a sua cabeça. Vai conhecer Marx e Lênin pessoalmente no céu dos materialistas. Adeus, Pomba.

 

César "Tuba" Fraga